Cursos de Socorrismo

Cursos de Socorrismo: Emergência e Primeiros Socorros

Cursos de Socorrismo: os acidentes acontecem quando menos esperamos. Por isso, a aplicação de técnicas de primeiros socorros nos minutos a seguir podem fazer a diferença entre a vida e a morte.

A temática de emergência e primeiros socorros é uma matéria importante na formação geral dos trabalhadores em Saúde e Segurança no Trabalho. Aplica-se a todas as empresas, estabelecimentos ou serviços.

Cursos de Socorrismo: Primeiros Socorros em Contexto de Trabalho

Considera-se “primeiros socorros” o atendimento de emergência prestado no local de trabalho em situação de lesão ou de doença súbita. Ocorre antes de chegar o atendimento especializado de emergência. Visa evitar/minimizar o agravamento do estado de saúde do trabalhador e/ou assegurar as suas funções vitais.cursos de socorrismo

Este conceito abrange os procedimentos primários e simples aplicados numa situação de emergência, e integra o processo de acionamento do pedido de socorro, comunicação e encaminhamento das situações de maior gravidade para atendimento especializado por profissionais de saúde.

Formação no Local de Trabalho

O Serviço de Saúde no Trabalho, independentemente da sua modalidade de serviço (interno, comum ou externo), deve integrar os primeiros socorros nos objetivos de funcionamento do Serviço. Deve também promover o desenvolvimento das condições técnicas necessárias para a aplicação das medidas de prevenção nesta matéria.

Considera-se, também, que a pessoa que presta os primeiros socorros no local de trabalho é um trabalhador formado neste âmbito e apto a prestar os procedimentos de emergência primários, que usa uma quantidade limitada de equipamentos para proceder à primeira avaliação da vítima e para a necessária intervenção, enquanto aguarda a chegada do serviço de emergência que presta cuidados especializados.

Legislação Aplicável

A Lei n.º 102/2009 regulamenta o regime jurídico da promoção e prevenção da segurança e da saúde no trabalho. Estabelece que o empregador deve disponibilizar o material adequado de primeiros socorros. O empregador deve ainda assegurar a formação adequada dos trabalhadores, especialmente a formação permanente dos trabalhadores responsáveis pelas medidas de primeiros socorros no local de trabalho.

Após o processo de avaliação e uma vez concluída a formação com aproveitamento, deverá ser emitido Certificado de Formação Profissional através do Sistema de Informação e Gestão da Oferta Formativa (SIGO).

O que as empresas devem ter em consideração?

As empresas ou estabelecimentos devem ter registos das ações de formação ministradas em Primeiros Socorros. Devem ainda ter listado os trabalhadores que frequentaram as ações de formação. Por fim, aqueles que estão aptos a prestar primeiros socorros.

A renovação da aptidão de socorrista da empresa deve ser realizada de acordo com o Plano de Formação de cada empresa, no mínimo de 3 em 3 anos (de acordo com a Nota técnica da DGS).

Cursos de Socorrismo: Aplicação de Técnicas de Suporte Básico de Vida

A paragem cardiorrespiratória (PCR) é um acontecimento súbito. Constitui-se como uma das principais causas de morte em todo o mundo. O SBV aumenta substancialmente a probabilidade de sobrevivência da vítima quando iniciado nos primeiros minutos após a paragem cardíaca. Consiste essencialmente em duas ações: compressões torácicas e ventilações.

Por isso, deve garantir as condições de segurança do local onde se encontra a vítima. Depois, verifique se esta está consciente abanando-lhe suavemente os ombros e chamando por ela. No caso de a vítima não responder, considere que está desmaiada (inconsciente). Avalie depois se respira, recorrendo à técnica VOS: Ver se o tórax expande, Ouvir a passagem do ar e Sentir a respiração na face.

O que fazer?

Caso a vítima não respire, ligue de imediato 112 (ou garanta que alguém o faz), recorrendo à alta voz do seu telemóvel.

Depois inicie o Suporte Básico de Vida até a vítima recuperar ou chegar ajuda diferenciada.

O Suporte Básico de Vida consiste num conjunto de procedimentos realizados sem recurso a equipamento específico. Tem como objetivo a manutenção de vida e ganho de tempo numa situação de paragem cardiorrespiratória – em que o coração para – até à chegada de ajuda especializada.

Quando há uma paragem na circulação sanguínea, os órgãos deixam de ter oxigénio para o seu funcionamento adequado. Começam a surgir lesões. Oxigenar artificialmente o sangue e fazê-lo circular permite atrasar ou evitar a morte cerebral. Aumenta também as hipóteses de sobrevivência da vítima.

técnicas de suporte básico de vidaPor isso, é imprescindível saber identificar uma vítima em paragem cardiorrespiratória e como proceder perante esta situação.

O início imediato destas manobras permite aumentar as hipóteses de sobrevivência da vítima.

A Desfibrilhação Automática Externa

Quanto à Desfibrilhação Automática Externa, a análise efetuada aos equipamentos de DAE utilizados logo após uma paragem cardíaca, indica uma elevada percentagem (76%) de vítimas com um incidente arrítmico particular: Fibrilhação Ventricular.

Está demonstrado que a desfibrilhação precoce, realizada entre 3 a 5 minutos após o colapso da vítima, resulta em taxas de sobrevivência de 50 a 70%. Constitui-se assim como fundamental a intervenção rápida de quem presencia uma PCR. Este processo deve obedecer a procedimentos específicos e devidamente enquadrados pela designada Cadeia de Sobrevivência.

A Cadeia de Sobrevivência

A Cadeia de Sobrevivência interliga os diferentes elos, que se assumem como vitais, para o sucesso da reanimação. Ligar 112, Reanimar, Desfibrilhar e Estabilizar. Os procedimentos preconizados, quando devidamente executados, permitem diminuir substancialmente os índices de morbilidade e mortalidade associados à PCR. Permitem também aumentar, de forma significativa, a probabilidade de sobrevivência da vítima.

Por isso, é fundamental treinar os colaboradores das empresas para responder eficazmente a uma situação de paragem cardiorrespiratória, com a utilização de um desfibrilhador Automático Externo (DAE).

Curso Europeu de Socorrismo

Curso destinado a difundir conhecimentos gerais de primeiro socorro para habilitar colaboradores para executar as técnicas de primeiros socorros adequadas, visando a estabilização da situação de uma vítima de acidente ou doença súbita até à chegada dos meios de socorro.

Curso destinado a operários, chefias intermédias ou quadros com possibilidade (ou em contexto) de socorrer os restantes colaboradores em situações de emergência.

Direção Geral de Saúde (DGS) emitiu uma nota técnica em que preconiza os requisitos mínimos para a formação de primeiros socorros, nas empresas. A formação proposta para o Curso Europeu de Socorrismo, responde a esses requisitos.

Aos formandos com aproveitamento na avaliação sumativa será entregue um cartão de socorrista, com validade de 3 anos.

Opcionalmente, poderão ser disponibilizadas aos formandos máscaras. Este elemento funcionará também como porta-chaves, servindo como memória da formação.

O Curso Europeu de Primeiros Socorros tem duração de 12 horas e poderão ser alocados até 12 formandos por turma.

INEM – Suporte Básico de Vida

Pretende-se com esta formação dotar os colaboradores de competências necessárias para uma boa execução dos procedimentos de emergência, através de técnicas de Suporte Básico de Vida.

Formação destinada a Profissionais de Saúde e Leigos.

A LTM Consultoria, Lda. encontra-se acreditada pelo Instituto Nacional de Emergência Média (INEM) para proporcionar formação em Suporte Básico de Vida desde 2017.

Suporte Básico de Vida (DAE)

Pretende-se com esta formação dotar os colaboradores de competências necessárias para uma boa execução dos procedimentos de emergência, através de técnicas de suporte básico de vida, permitindo realizar corretamente manobras de Suporte Básico de Vida com utilização de um Desfibrilhador Automático Externo (DAE), numa vítima em paragem cardiorrespiratória.

Formação destinada a Profissionais de Saúde e Leigos.

A LTM Consultoria, Lda. encontra-se acreditada pelo Instituto Nacional de Emergência Média (INEM). Assim, a LTM pode proporcionar formação em Suporte Básico de Vida Adulto desde 2017. Mais recentemente, desde dezembro de 2019, o curso de formação INEM – Suporte Básico de Vida com DAE.

Suporte Básico de Vida

Ação de Formação que aborda as diferentes temáticas que constituem o Suporte Básico de Vida. Compreende treino prático da primeira abordagem ao acidentado.

Formação destinada a operários, chefias intermédias ou quadros com possibilidade (ou em contexto) de socorrer os restantes colaboradores em situações de emergência básica.

Cursos de Socorrismo